Algumas vezes estamos rodando um comando que é demorado, mas precisamos ter acesso novamente ao shell por algum motivo. Para isso, podemos suspender a execução do processo com as teclas Ctrl+z. Um processo suspendo não executa nada e não consome CPU, mas ainda está presente no sistema -- sendo chamado de "job" nesse ponto.

Para ver a lista de jobs, basta chamar jobs. Note que o resultado desse comando é a lista do nome do processo com um identificador.

Uma vez que eu tenha feito que precisava ser feito e quiser voltar para aplicação, usa-se o comando fg (de "foreground"). Entretanto, eu posso querer que a aplicação continue executando, mas não em primeiro plano; para isso, existe o comando bg (de "background"). Chamados diretamente, fg e bg irão trabalhar com o último comando executado mas é possível indicar um processo específico para estes, usando o identificador apresentado em jobs.

Uma forma de fazer uma aplicação iniciar diretamente em background é usar um & no final da chamada; por exemplo curl url & irá iniciar o curl mas deixar o terminal liberado, pois o comando estará rodando em background.

Seria o mesmo que chamar curl url, usar Ctrl+z para suspender a execução e depois usar bg para fazer o processo rodar em background.

Quando um processo está em background, o terminal fica "bloqueado" para logouts -- pois, afinal de contas, o shell ainda é pai dos processos, mesmo que eles estejam em background. Para passar a guarda de um processo filho para o init -- e, assim, poder ser encerrado sem problemas -- pode-se usar o comando disown. Assim, o processo em background ou suspendo passa a ser filho do init e o terminal pode ser encerrado sem que o processo anterior seja encerrado junto.