Resumo GoodReads: Um livro que reúne o humor, a sabedoria - e a maldade - de figuras proeminentes do cenário brasileiro e universal, de ontem e hoje. Os economistas Gustavo Franco e Fabio Giambiagi organizam essa antologia de citações cujo mote central são frases com dois dedos de maldade. Mas a maldade que dá título ao livro não é a da perversidade e a da má índole, mas um composto formado de maldade espirituosa, malícia, atrevimento, ironia, de alguns maus ditos e de muito bom humor. Estão no livro citações de Nelson Rodrigues, Millôr Fernandes, Machado de Assis, Getúlio Vargas, Winston Churchill, Roberto Campos, Shakespeare, Jorge Luis Borges, e muitos outros, entre banqueiros, políticos, consultores, empresários, artistas, escritores, esportistas, filósofos, dramaturgos e cientistas. E constam também as falas de algumas lideranças como Fernando Henrique Cardoso, Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, sem os quais nenhuma coletânea sobre a atualidade estaria completa. Dividida por temas e organizada em ordem alfabética, a antologia apresenta mais de setecentos verbetes, preenchidos com observações originais, inusitadas, afiadas e divertidas sobre praticamente tudo. Encontraremos os convencionais "Capitalismo", "Socialismo", "Amizade", "Inflação", "Traição", "Religião", mas também outros singulares, como "Controle da mídia", "Corrupção", "Groucho-marxismo", "Brasilidade", "Mensalão" e "Petrolão", que estão no cerne das grandes polêmicas contemporâneas no Brasil. Inflação: "Queremos apenas reduzir uma inflação indecente de 220% para um nível não menos indecente de 150%, e depois o próximo governo continuará a luta." Antonio Delfim Netto, economista e ex-ministro da Fazenda, em 1984. Inveja: "O melhor dos bens é o que não se possui." Machado de Assis, escritor. Mineirice: "Em Minas Gerais, a política é como crochê: não se pode dar um ponto errado, sob pena de ter de começar tudo de novo." Itamar Franco, ex-presidente da República.

★★☆☆☆

Com o título principal de "Antologia da maldade", eu esperava uma lista de citações ácidas de pessoas famosas, como praticamente todas as citações de Winston Churchil. Infelizmente, o livro é apenas mais um livro de citações randômicas, incluindo Mário Quintana, que provavelmente é a única pessoa cujas citações são sempre simpáticas e amáveis.

Assim, de "maldade" há muito pouco, a não ser que seja considerada maldade reproduzir citações de Nelson Rodrigues, cuja existência deveria ser atirada no passado negro do Brasil junto com a ditadura.