As discussões anteriores que eu levantei sobre microserviços foram um prelúdio para uma coisa que eu não consegui uma solução perfeita: como é que microserviços se "curam" quando faltam dados?

Pequena recapitulação antes de falar sobre o problema: Microserviços produzem artefatos; artefatos ou são enviados para frente por um message broker para outros serviços ou mantidos no mesmo microserviço para requisições futuras; microserviços podem escutar mais de uma fonte de dados para construir seus artefatos.

Anteriormente eu mencionei um exemplo de um microserviço de placares que produz um artefato com o placar de cada time e o nome dos jogadores que fizeram os gols. Esse microserviço poderia ouvir:

  1. A fila de times: pode ser necessária para que possamos mostrar o nome ou sigla do time na requisição de placar; uma vez que um time aparece num campeonato, o microserviço adiciona o mesmo no seu estado para referência futura1.
  2. A file da jogadores: o mesmo que acima, para que o microserviço possa retornar o nome, apelido, número da camisa ou alguma coisa relacionada com o jogador; de novo, o serviço fica escutando a fila de jogadores e os guarda em seu estado.
  3. A fila de partidas: se uma partida for acontecer, ela tem que ter um placar, provavelmente começando com 0 sem nenhum jogador na lista de gols; isso é feito apenas para evitar problemas com serviços pedindo placares de partidas que ainda não começaram ou que não tiveram gols ainda; de qualquer forma, o artefato necessário já vai estar pronto para ser entregue.
  4. A fila de narrações: escutando a fila de narrações, o microserviço de placar irá detectar gols, atualizar seu estado e produzir o artefato atualizado.

A palavra chave da lista acima é "poderia": dependendo da forma como os microserviços e as mensagens são construídas, pode não ser necessário ter acesso a tudo isso.

Usando mensagens completas

Vamos começar com a forma mais simples de evitar escutar todas essas filas: utilizando mensagens completas.

Numa mensagem completa, todos os campos relacionados são enviados junto com a informação principal. Usando o exemplo acima, o serviço poderia ouvir apenas as filas de partidas e narração, mas esperar que a mensagem de "NovaPartida" teria os nomes dos tipos, suas siglas, escudos, provavelmente o ID e assim pode diante; da mesma forma para a mensagem de "NovaNarração": ela contém o nome do jogador, o apelido, número da camisa, ID e assim pode diante.

O problema com mensagens completas é que elas tentem a ficarem maiores com o tempo: Com mais microserviços sendo adicionados ao sistema, mais campos vai sendo necessários -- e ignorados por serviços que não os precisam.

O lado positivo de mensagens completas é que um microserviço sempre terá toda a informação necessária, mantendo o número de filas a serem escutadas baixo. Esse formato também facilita a adição de outros serviços no sistema: se o mesmo começar com um estado em branco, ele poderá construir o mesmo a partir do zero, porque toda a informação já está lá.

Escutar as filas básicas, pedir o resto

Quase como a solução acima, o serviço escuta apenas as filas de narrações e partidas, mas uma vez que detecta alguma informação faltante (por exemplo, o evento de narração cita um jogador, mas esse jogador não existe no estado), o serviço faria uma requisição por essa informação mais "fria" (jogadores, times e produtos não são atualizados com muita frequência, por exemplo) para outro serviço e preencheria essa informação no seu estado.

Isso significa que esse microserviço agora, ao invés de saber apenas como escutar filas, também precisa ter informações de outros serviços (aqueles que processam e armazenam os dados frios) e suas interfaces -- e, de forma geral, também requisitaria um serviço de descoberta presente no sistema. Esses microserviços seriam aqueles de "duas caras", que recebem informações, armazenam o estado, produzem o artefato mas tem uma interface de requisições ao invés de simplesmente receber, processar e passar pra frente. Fazer cache aqui também seria recomendado, para que um serviço não faça um "flood" de requisições da mesma informação -- e atualizações de tempo em tempo podem fazer sentido em algumas situações.

As mensagens seria menores (porque é enviado apenas o ID do time/jogador) e a recuperação de informações acontece apenas quando necessária, mas onde é reduzido o número de escutas nas filas, é aumentado o número de requisições. Assim como na utilização de mensagens completas, um novo serviço poderia facilmente construir seu estado a partir do zero sem qualquer problema -- irá fazer um monte de requisições, mas terá, eventualmente, todas as informações necessárias.

Escutas todas

Essa é exatamente a solução apresentada no exemplo acima: o microserviço fica escutando todas os eventos das filas com eventos relacionados e constrói o estado a partir deles.

Um problema dessa solução: uma vez que as filas são assíncronas, pode acontecer um problema com a ordenação dos dados, com gols chegando antes dos jogadores (por vários motivos). Nesse caso... o que o serviço faz? Rejeita o gol na esperança que o jogador apareça, para evitar uma inconsistência dos dados, e o que o message broker coloque o evento novamente no fim da fila?

Uma solução seriam serviços que, junto com este, escutem por um dado específico: o microserviço de placares escuta as quatro filas citadas, mas há um microserviço escutando apenas a fila de jogadores. Esse serviço iria processar os dados mais rapidamente que o placar, e serviria como "fallback" no caso de dados faltantes, como na solução acima. Isso reduziria o tráfego de rede, mas iria gerar dados duplicados em serviços diferentes -- embora esse último ponto não deveria ser um problema em primeiro lugar.

Novos serviços iriam encontrar problemas, porque apesar de receberem novos dados, eles não estavam presentes quando os dados frios foram processados; eles vão precisar se comunicar com outros serviços para recuperar essa informação, ou alguém teria que manualmente copiar os dados.

Fila única

As soluções acima trabalham com cada dado em sua própria fila, mas e se pudéssemos colocar todos os eventos na mesma fila? Dessa forma, a ordenação é assegurada (jogadores são sempre enfileirados antes dos gols, e os serviços irão processar os jogadores antes de sequer verem que há um gol).

Isso reduz o número de filas a serem ouvidas, mas requer um bom design de mensagens, especialmente se for utilizada alguma linguagem de tipagem estática, que normalmente requer uma estrutura bem definida para serialização e desserialização.

Mas ao mesmo tempo, resolve praticamente todos os problems: não existe problema com a ordem de processamento, o número de filas a serem ouvidas é baixo e as mensagens pequenas. Mas também faz com que novos serviços sofram com a falta de dados frios, forçando-os a comunicar com outros serviços ou terem os dados copiados manualmente quando levantados.

E qual o melhor?

Honestamente, não faço ideia. Eu tenho uma certa preferência pelas mensagens completas simplesmente porque simplifica a estrutura dos serviços, mesmo sabendo que rede não é de graça; se eu usasse uma linguagem dinâmica, eu provavelmente utilizaria a fila única. Mas, de novo, não acho que haja um "tamanho único para todos".

Provavelmente existem outras opções arquiteturais para resolver esses problemas, mas essas são as que eu consigo lembrar das conversas que tivemos no trabalho.

1

Vale notar que o microserviço pode simplesmente ignorar parte da informação. Por exemplo, se o artefato produzido tem apenas a sigla do time, o serviço pode remover o nome completamente de seu estado.